Faixa etária: a partir do momento em que o bebê senta-se sem apoio

Material:

  • Pinhas, folhas, cascas e tronquinhos de árvore [IMGP5963]
  • Conchas e pedras
  • Bucha vegetal
  • Fitas de diferentes padrões e texturas
  • Novelos de lã, pedaços de tecidos diversos
  • Colares de contas e pulseiras
  • Massageador de madeira
  • Brinquedo de madeira com partes articuladas
  • Bolas de tamanhos variados
  • Fotos de bebês recortadas de revistas e coladas em papel grosso
  • Caixas e potes com tampa (incluindo os de vidro espessos) de diferentes materiais e tamanhos
  • Garrafinha cheia de pedrinhas ou grãos para fazer chocalho
  • Espelho e/ou tigela de inox
  • Escovas de diferentes tipos e tamanhos
  • Pincéis, brochas e lixa de parede
  • Penas
  • Utensílios de cozinha: caneca/xícara, fôrmas de bolo/empadinha, colheres, peneira, espumadeira, espátula, batedor de clara em neve, etc.
  • Frutas leves e pequenas com casca dura, como limão, laranja, maracujá, romã, tamarindo, etc.

Vamos lá: Coloque uma variedade desses materiais em uma cesta, caixa ou bacia que tenha altura máxima de 20 cm. Disponha a cesta no chão para que o bebê possa escolhê-los e explorá-los livremente. Na ausência de um contêiner com estas características, disponha os materiais no chão para que possam sem escolhidos e explorados pelo bebê.

Sabe por quê? A diversidade de formas, texturas, sons e cores, presentes nesses e em outros materiais semelhantes estimulam as habilidades motoras e as percepções táteis, sonoras, visuais (e por que não, gustativas?) dos bebês. Através da investigação dos materiais o bebê começa a instigar a relação de causa-efeito.

Vídeos interessantes sobre os cestos dos tesouros:

isso-nc3a3o-c3a9-um-brinquedo.jpg

Sugestão de literatura infantil sobre o tema:

Isso não é brinquedo! / Ilan Brenman; ilustrações de Maria Eugênia. São Paulo: Scipione, 2007.