ComTato_Final_alta.jpg
 

oferece a crianças e adolescentes em acolhimento atendimento psicológico gratuito e individualizado.

 

A oportunidade de estabelecer com o terapeuta um vínculo seguro e estável auxilia a criança ou o jovem a lidar com o sofrimento, com sua história e a criar projetos futuros. 

 
 
 
 

Como acontece

Os psicoterapeutas do programa são voluntários, cuidadosamente selecionados por nossa equipe e contam com aprimoramento constante, por meio de supervisões oferecidas por profissionais com larga experiência na área. Reuniões de equipe e trocas de experiências entre os profissionais do programa acontecem frequentemente.

No Com Tato a parceria é firmada com a instituição, mas o compromisso do terapeuta é com o paciente, o que significa que a psicoterapia pode prosseguir caso a criança ou adolescente seja transferido de abrigo, adotado ou retorne para sua família de origem. A duração da psicoterapia não é pré-estabelecida, o terapeuta estará disponível pelo tempo que o paciente desejar e precisar.

Apesar da ênfase no trabalho clínico e individual, os psicoterapeutas do Com Tato trabalham inseridos na REDE de atendimento à criança e ao adolescente, cultivando uma relação estreita com técnicos das instituições, dos Fóruns e com as famílias também.


Critérios para ser terapeuta do com tato

Ser formado em psicologia

Ter consultório para realizar os atendimentos

Estar disponível para atender 2 crianças ou adolescentes voluntariamente

Passar por uma seleção

Apresentar os documentos: curriculum vitae, foto 3x4 e xerox do CRP

morar em sÃO PAULO (CAPITAL)

Preencher ficha de inscrição e assinar contrato de adesão ao Com Tato.

 
 

A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO PSICOLÓGICO

Violências física, sexual e emocional, negligência e abandono são as principais razões que levam crianças e adolescentes a serem acolhidos em uma instituição. Tais vivências podem gerar baixa auto-estima, alterações de sono ou de apetite, doenças psicossomáticas, depressão, dificuldades de aprendizagem, uso de drogas e, principalmente, dificuldades de construir novos vínculos afetivos, fundamentais para a constituição de um sujeito autônomo, saudável. Muitas vezes, esses jovens perdem a possibilidade de sonhar e de construir um futuro que rompa com esse padrão de violência, tão conhecido e tão perverso. Um processo psicoterápico bem conduzido, com um profissional qualificado, pelo tempo que for necessário, ajuda esses jovens a conhecer, questionar e dar um novo significado às suas próprias histórias.

 
 

 

voluntariado com tato

Coordenação
Ana Raquel Ribeiro
anaraquel@fazendohistoria.org.br
11 3021 9889