depoimentos-com-tato

com tato

 

O depoimento é de Carolina Maroni, psicoterapeuta do João desde 2011.

“Comecei a atender João pelo Com Tato, há 6 anos. Hoje com 13, é um adolescente afetivo e intenso, capaz de encantar e também de desafiar fortemente quem convive com ele. O sorriso doce e olhar ingênuo encobrem um caldeirão de emoções e dores que povoam esse garoto acolhido ainda nos primeiros anos de vida. Acompanhei a difícil trajetória de João nas buscas frustradas por familiares, adoções mal sucedidas e inúmeras mudanças de abrigo, bairros e escolas. Ví, a despeito de tentativas isoladas de cuidado, uma sequência de rupturas que ia esgarçando suas possibilidades de construir vínculos afetivos, tão essenciais ao seu desenvolvimento. Para além da escuta individualizada na psicoterapia, foi necessário muito trabalho conjunto e muita persistência para apoiar e consolidar estratégias de mobilização e articulação de toda a rede de garantia de direitos das crianças e adolescentes (composta por agentes do judiciário, da saúde, educação, assistência social). Por anos, enquanto os vínculos afetivos se desfaziam na vida de João, permaneci como sua única referência constante de cuidado. Hoje, João conta com um suporte que permite que construa relações mais sólidas e duradouras. A cada dia, vem aprendendo a lidar, na terapia e fora dela, com as frustrações que a vida lhe traz. É gratificante ver, depois de tantos anos, que o trabalho do Com Tato vai além da psicoterapia e expande seus resultados ao apoiar a mobilização e articulação de toda uma rede de cuidado das crianças e adolescentes, algo fundamental na realidade do acolhimento.” 


Fernanda Queiroz, psicóloga do SAICA Padre Batista. 

“Temos com o Com Tato uma parceria importante, que compõe e acrescenta à nossa rede de atendimento um cuidado imprescindível para o bem estar das crianças e adolescentes. O programa oferece o trabalho de profissionais comprometidos, qualificados, parceiros e com disposição para conversas com nossa equipe, algo fundamental para nós.”


Conta Débora Carmen Récio, psicóloga da Vara da Infância e da Juventude de Santana:

“O atendimento psicológico das crianças e adolescentes inseridos nos serviços de acolhimento representa o olhar, a escuta e o cuidado com as vivências que, em muitos casos, precisam ser elaboradas para que tenham um rumo libertador. Os profissionais do Com Tato, além de dar apoio psicológico às crianças e adolescentes que atendem, também se implicam em ajudar os técnicos do judiciário e o próprio Juiz a compreender muitas situações do ângulo da subjetividade. O compartilhar de posicionamentos propicia a construção de decisões mais humanas e justas para as famílias que acompanhamos. Essa foi a experiência que tive em 2016, quando contamos com a participação de seus profissionais em Audiências Concentradas, ajudando a clarear e refletir sobredeterminadas histórias familiares”